Crítica | Shazam!

O herói mais inocente e divertido do universo DC chega em grande estilo.

📷Warner Bros / Divulgação

Qual o segredo para um filme de super herói bem sucedido? É interessante olhar a trajetória das produções do gênero, assim como a mudança no mercado, que antes olhava com desprezo e dúvida, e hoje olha com mais respeito e acredita no potencial destes filmes. Sem dúvida, a Marvel proporcionou uma “virada” no estilo, e a partir daí, sempre foi observada de perto pela DC, que revitalizava os seus heróis, e tentava encontrar um caminho.


Após muitos erros, o estúdio se reinventou, e vem tentando expandir o seu universo e criar uma identidade própria. Shazam! é a mais nova aposta da DC, e chega repleto de expectativas, principalmente por parte dos fãs. A história de Billy Batson, o garoto de 14 anos que é adotado por um casal que gerencia um lar adotivo, e se transforma em um adulto cheio de poderes ao gritar “Shazam!”, povoou o imaginário de muitos admiradores de quadrinhos, que agora terão a oportunidade de apreciá – la em formato longa metragem, com Zachary Levi no papel principal.

Dirigido por David F. Sandberg (Annabelle 2), o filme conta também com os atores Mark Strong (Kingsman – o círculo secreto), e Djimon Honsou (A lenda de Tarzan), e estreia na próxima quinta feira (04) nos cinemas brasileiros, pela distribuidora Warner Bros.



Com um roteiro simples e bem construido, o filme utiliza uma narrativa fácil e dinâmica, que deixa claro que a intenção é somente uma: diversão. Desde o início, o tom bem humorado é predominante, e presenteia a plateia com muitas piadas e cenas engraçadas que atravessam os 132 minutos de exibição.

Fica claro o tempo todo que o que se está vendo, é uma criança de 14 anos no corpo de um homem adulto, que se diverte com seus poderes recém adquiridos, sem se importar com sua “missão” ou propósito. Talvez esteja aí o grande ponto positivo do filme, que convida à todos a enxergar o mundo como uma criança, e diverte ao explorar as situações mais engraçadas que a perspectiva oferece. Carisma é a palavra, e este fica evidente, tanto na atuação de Levi, como na composição de sua família adotiva. Aliás, vale ressaltar o trabalho da atriz Faithe Herman na interpretação de Daria, uma das irmãs adotivas do herói. Extremamente doce e graciosa.

📷Warner Bros / Divulgação


Apesar do destaque para o humor, Shazam! tem sua porção mais dramática, que se desdobra basicamente na busca do personagem por sua mãe biológica, de quem foi separado ainda muito jovem. Aliás, a jornada pessoal do garoto exigirá a redefinição do seu conceito de “família”, e também o amadurecimento de Billy, como herói, e acima de tudo como ser humano, ainda mais quando começa a perceber que há um propósito em seus poderes, após se deparar com  o Dr. Thaddeus Silvana (Mark Strong), um vilão amargurado e rancoroso, que aliás, poderia ser melhor aproveitado.

É nítida a evolução da DC Comics, que vem pavimentando um caminho mais coerente iniciado com Mulher Maravilha (2017), tentando deixar para trás os erros de seu passado recente. Repleto de efeitos visuais, humor e diversão, Shazam! com certeza se encaixa nesta configuração mais sólida das produções do estúdio, e irá divertir milhões de pessoas ao redor do mundo.

É difícil pôr em palavras o segredo necessário para um bom filme de super herói, mas com certeza, agora o estúdio está no caminho certo.


Avaliação ⭐⭐⭐⭐



Trailer


Crítica | Shazam! Crítica | Shazam! Reviewed by Adriano Rezende on abril 03, 2019 Rating: 5

Nenhum comentário