Crítica - Aquaman | Redenção da DC?

📷 Warner Bros Pictures / Divulgação
Desde que se percebeu a rentabilidade dos filmes de super herois, os estúdios tem investido fortemente neste segmento com notável apelo mundo afora. Talvez a “redescoberta” do potencial destes filmes tenha se dado com a Marvel, que trouxe de volta notoriedade e sucesso aos heróis com o seu ambicioso projeto “Vingadores”, que se iniciou em 2008 e se transformou em historia. Na lanterna, a DC Comics logo se propôs a levar às telas os super humanos do seu universo, mas não estava obtendo muito sucesso.

Depois de filmes inacreditavelmente ruins, como “Esquadrão Suicida” e “Batman vs. Superman”, a qualidade subiu um pouco com “Mulher - Maravilha”. Apesar do sucesso de Diana nas telonas, ainda faltava um filme que viesse a se tornar de uma vez por todas a “redenção” da DC Comics.

A aposta foi lançada, e está nos cinemas. “Aquaman” estreou nacionalmente em 13 de Dezembro e segue firme como candidato. Com Jason Momoa (Liga da Justiça) no papel título , o filme conta a história do meta humano que precisa impedir que seu irmão Orm (Patrick Wilson), rei do reino submarino de Atlântida, inicie uma guerra com os seres humanos.



O filme é dirigido por James Wan, mais conhecido como o diretor de projetos da franquia “Invocação do Mal” e “Sobrenatural”, e dá pra perceber o esforço investido no projeto.

O longa tem ótimos momentos, principalmente em relação à fotografia. O tom azulado nas cenas passadas em Atlântida cria um visual muito bonito. Aliás Atlântida é somente um dos sete reinos no fundo do mar, e cada reino possui suas características e seus diferenciais. Destaque para o “Reino do Fosso”: tão assustador quanto os demais são belos. Ponto para a direção de arte.

As batalhas nas profundezas também são boas, e muitas vezes dão a impressão de “batalhas espaciais”, (visto que Atlântida é um reino bastante avançado tecnologicamente). As batalhas em terra firme também tem qualidade, e são verossímeis o suficiente para que o espectador embarque na viagem. Excepcionalmente, uma perseguição na Sicília (Itália) é muito bacana e merece destaque.

O filme tem diálogos divertidos, e cenas leves e descompromissadas também, que são de certa forma um refresco em meio às cenas de batalha...e o roteiro é bem dividido e explicativo, o que evita confusão na cabeça dos espectadores aventureiros que não conhecem a história do herói.

No geral, “Aquaman” dosa aventura com emoção na medida certa, e efeitos visuais de encher os olhos de qualquer um. Uma ótima pedida para toda a família nestas férias.

Será que enfim a DC encontrou a sua redenção? Aguardemos...

O filme está em cartaz nos cinemas de todo o Brasil.


Trailer


Crítica - Aquaman | Redenção da DC? Crítica - Aquaman | Redenção da DC? Reviewed by Adriano Rezende on dezembro 19, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário